quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Protuberância

Este sorriso que muitos chamam de boca
É antes um chafariz, uma coisa louca
Sou amativa antes de tudo
Embora o mundo me condene
Devo falar em nariz(as pontas rimam por dentro)
Se nos determos amanhã
Pelo menos não haverá necessidades frugais nos espreitando
Quem me emprestar seu peito ma madrugada
E me consolar, talvez tal vez me ensine um assobio
Não sei se me querem, escondo-me sem impasses
E repitamos a amadora sou
Armadora decerto atrás das portas
Não abro para ninguém, e se a pena é lépida, nada me detém
É sem dúvida inútil o chuvisco de meus olhos
O círculo se abre em circunferências concêntricas que se
Fecham sobre si mesmas
No ano 2001 terei (2001-1952=) 49 anos e serei uma rainha
Rainha de quem, quê, não importa
E se eu morrer antes disso
Não verei a lua mais de perto
Talvez me irrite pisar no impisável
E a morte deve ser muito mais gostosa
Recheada com marchemélou
Uma lâmpada queimada me contempla
Eu dentro do templo chuto o tempo
Um palavra me delineia
VORAZ
E em breve a sombra se dilui,
Se perde o anjo.

Ana Cristina César

2 comentários:

Gabriela Dell'Aquila disse...

Ah, olha, eu acho que a vida pode até ser concreta, mas sua interpretação é bem subjetiva... Bom, é o que penso... Quero dizer, no fundo, cada um tira algo próprio dela, cada um tem um par de olhos únicos...
E claro, tem gente pagando de um monte de coisas em todo lugar, haha, mas eu acho até melhor pagarem de revolucionários do que de emos, hahaha
Se bem que irrita galera sem saber do que tá falando, irrita mesmo...
Enfim, sei que não é seu, mas é um bom texto!

Elfen Queen disse...

lindo!